Síndrome de Asperger: diagnóstico, tratamento e mais além

Diagnóstico, tratamento e mais além traz não somente os aspectos práticos envolvendo tais questões, como também uma reflexão do impacto cultural na percepção do comportamento e de que forma isso contribui para moldar o conceito de normalidade social

 

Ao final do artigo, seguem indicações de dois médicos psiquiatras especialistas em TEA (Transtorno do Espectro Autista), síndrome de Asperger e superdotação, em São Paulo. Escolhi trazer os nomes deles aqui, pois recebo muitos pedidos de indicação de profissionais que entendam de autismo, algo que sabemos ser difícil encontrar, especialmente em se tratando da síndrome de Asperger, e o quão aflitos muitos pais ficam, de consultório em consultório, onde cada um diz uma coisa, e o diagnóstico acaba sendo adiado por tempo demais, muitas vezes fazendo com que se perca a janela de ouro do desenvolvimento infantil, pois sabemos que quanto mais nova a criança, mais plástico, moldável e adaptável é o seu cérebro e é esse período de vida da criança que não podemos desperdiçar, sendo um diagnóstico acertado e precoce fundamental para nortear os objetivos de qualquer tratamento. 

 

Imagem relacionada

Fonte da Imagem

 

Por Audrey Bueno

Psiquiatras são os profissionais de primeira escolha para fins de obtenção de diagnóstico e tratamento dos Transtornos do Espectro do Autismo (TEA). Uma outra opção profissional seriam os neurologistas, embora o ideal seja que o psiquiatra tenha a preferência. Como esse diagnóstico é buscado quase sempre na infância, é importante que o profissional seja especializado em atendimento infantil.

Eventualmente, neuropediatras podem ser capacitados a fornecerem tal diagnóstico, mas a maioria desses profissionais não possui conhecimento aprofundado o bastante para conduzir adequadamente uma avaliação desse tipo, uma vez que a abrangência do estudo pediátrico em seus anos de formação profissional seja em grande parte focada nas outras tantas doenças e situações da pediatria convencional que nada tenham a ver com o autismo propriamente, de modo que dificulte a leitura clínica adequada para o perfil autista , especialmente em casos mais leves, como a síndrome de Asperger, onde diversas características comportamentais são diferentes do autismo clássico e são mais sutis também. É muito comum que crianças previamente excluídas do espectro do autismo por neuropediatras recebam, posteriormente, o diagnóstico de autismo por psiquiatras especialistas em TEA.

Pediatras, psicólogos e neuropsicólogos podem, eventualmente, fornecer um diagnóstico, mas isso é muito raro, pois a formação em pediatria e psicologia (e mesmo neuropsicologia, que inclui maior aprofundamento de neurologia) aborda apenas muito superficialmente transtornos como o autismo e, ainda assim, apenas em se tratando do tipo mais clássico, com os sintomas mais óbvios e severos. Assim, a menos que uma especialização em autismo e transtornos dessa natureza tenha sido buscada, o que normalmente ocorre é que o profissional não tenha conhecimento suficiente para conduzir um processo diagnóstico, sendo prática comum que encaminhem seus pacientes, em caso de suspeita, para profissionais cujas formações incluam neurologia e psiquiatria, o que, na verdade, é o ideal, afinal, o transtorno autista é de base neuropsiquiátrica, e não psicológica ou emocional como alguns profissionais menos informados ainda acreditam. Muitos psicólogos, por não terem qualquer estudo significativo sobre a neurologia humana em seus cursos de formação universitária, costumam interpretar erroneamente os sinais de autismo como se fossem manifestações psicológicas e comportamentais relacionadas ao ambiente e estilo de criação dos pais, deixando de reconhecer os sinais de distúrbios neuropsiquiátricos do autismo. É comum o relato de famílias que estiveram por tempo longo em acompanhamento psicológico, sem obterem ajuda e/ou melhora significativa para o quadro, para, finalmente, conseguirem um diagnóstico e tratamento mais acertado quando procuram o psiquiatra.

No entanto, mesmo em relação a psiquiatras e neurologistas, a formação acadêmica tradicional em si não basta, uma vez que abrange esse tipo de transtorno de forma limitada.

É preciso que o profissional seja especializado em Transtornos do Espectro Autista (TEA) ou que tenha adquirido experiência clínica nesse tipo de transtorno para que seja capaz de conduzir um diagnóstico e tratamento adequados.

Se o conceito de ‘espectro’ ainda não é totalmente conhecido pela área médica, menos conhecidas ainda são suas variações, como a Síndrome de Asperger. O entendimento de que o autismo se apresenta de formas bastante diversas e que pertence a um ‘continuum’ (= espectro) é o que permitirá aos médicos reconhecerem e compreenderem melhor casos mais leves. Ainda é grande o número de profissionais com conhecimentos precários e ultrapassados sobre o transtorno autista, e que só são capazes de identificar casos realmente severos, ou seja, com sinais óbvios e profundamente debilitantes, ficando casos de autismo de mais alto funcionamento – ou seja, onde haja menor comprometimento geral em comparação aos quadros severos –  completamente à deriva.

No entanto, é cada vez mais provável que esse panorama mude, afinal, vem-se percebendo que o número de casos é maior do que se supunha, e tem havido um movimento crescente no sentido de interesse e busca de informação, não somente pela área médica, mas pela própria população e escolas. De qualquer modo, atualmente, os profissionais que detêm uma boa base de formação acadêmica acerca de transtornos neuropsiquiátricos do desenvolvimento infantil ainda são os mais capacitados para lidar com a questão do autismo.

O processo diagnóstico envolve uma investigação detalhada das principais áreas afetadas pelo transtorno: social, comunicativa e comportamental, que compõem o que se conhece por “tríade de sintomas”. Quaisquer relatórios anteriores, escolares ou de outros profissionais, serão de extrema importância para a avaliação diagnóstica, bem como a informação fornecida pelos pais acerca da história médica, desenvolvimento e histórico familiar, incluindo a menção de familiares que tenham um perfil comportamental com algum nível de similaridade quanto às habilidades ou dificuldades observadas na criança, mesmo que não tenham necessariamente um diagnóstico (em casos leves, dificilmente há um). Vídeos e fotos da criança nos mais variados ambientes possíveis, mas principalmente quando agindo espontaneamente em contexto domiciliar ou participando de eventos sociais onde há outras crianças por perto, são parte essencial do material fornecido pela família para a avaliação.

Além do acima descrito, existem ainda escalas de avaliação de traços autistas, sendo as escalas CARS (Childhood Autism Rating Scale) e ATA (Autistic Traits Assessment) algumas das mais usadas e confiáveis. Teoricamente, o próprio pediatra deveria aplicar essa escala (é um questionário simples que o médico preenche com os pais), mas pouquíssimos médicos o fazem e muitos nem o conhecem.

Na escala CARS, a pontuação máxima é 60, e a ‘nota de corte’ para considerar o indivíduo como pertencendo ao espectro do autismo é 30. Muitos clínicos e pesquisadores consideram 25 como nota de corte, principalmente para quadros leves, como Asperger. Assim, uma pontuação até 25 seria considerada como não pertencente ao espectro autista, entre 25 e 30 seria um autismo leve (frequentemente Asperger), entre 30 e 36, seria de leve a moderado, e entre 37 e 60, autismo severo.

Na escala ATA, a pontuação funciona da seguinte forma: são 23 subescalas, cujas pontuações variam de 0 a 2 cada, sendo “0” quando não há presença de qualquer dos comportamentos citados naquela subescala, “1” quando a criança apresenta apenas um dos vários subitens citados ou “2” quando apresentar dois ou mais subitens. O atingimento de 30 pontos sugere a presença de transtorno autista, sendo mais grave quanto maior for a pontuação.

Outro problema para o atraso na obtenção de um diagnóstico é o fato de ser muito comum no Brasil que os profissionais da área da saúde o enxerguem como um rótulo nocivo à criança, desconsiderando toda a gama de benefícios que um diagnóstico acertado poderia trazer, incluindo a orientação da família e escola, sempre tão fundamental. Assim, evitam “bater o martelo” e vão esticando ao máximo o tempo de espera, pois outra crença bastante comum é que cada criança tem seu ritmo e que esperar é sempre uma boa medida (de fato, existem diferenças individuais que devem ser consideradas, mas há limites que tem sido larga e descuidadamente ampliados).

Muitos profissionais têm medo ou insegurança – pessoal ou por falta de conhecimentos sólidos sobre um transtorno que, afinal, gera confusão uma vez que pode se apresentar de muitas formas diferentes – em se comprometerem com um posicionamento mais objetivo sobre o que acontece com aquela criança e cada qual “passa a bola” muitas vezes, fazendo com que a família enfrente uma verdadeira odisseia, de porta em porta de consultórios médicos, até obter o diagnóstico.

Infelizmente, no Brasil, se a escassez de informações fidedignas sobre autismo já é grande, ainda mais escassos são os materiais acerca da síndrome de Asperger, principalmente por que a maior parte da literatura que trata do assunto ainda não foi traduzida para o português. Esse é um dos motivos pelos quais os próprios profissionais da área da saúde, muitas vezes, não têm conhecimento suficiente sobre esta síndrome, haja vista que a própria formação profissional de base deles, predominantemente em português, já carece desse tipo de informação.

Além disso, profissionais que se formaram há mais de 20 anos, e que não têm por hábito buscar especializações e atualizações na área médica ou, especificamente, sobre autismo, acabam mantendo unicamente a visão de um modelo de autismo clássico geral que há muito tempo já não se aplica, de uma época em que o transtorno ainda era pouco compreendido e não detinha o conceito de ‘espectro’, não prevendo, portanto, quaisquer variações aos casos mais graves, que eram os únicos conhecidos, quando a ciência ainda nem dispunha de ferramentas tecnológicas avançadas que auxiliassem novas descobertas, como ocorre hoje. O próprio termo “Asperger” só passou a ser realmente difundido e conhecido após a década de 90.

A precocidade no início da intervenção terapêutica é de suma importância. Embora distúrbios em diversas áreas de funcionamento importantes, como a área motora, por exemplo, também requeiram atenção especial, é a questão social a que causa mais prejuízo, sendo o impacto ainda maior por conta da cultura em que estamos inseridos. A aptidão para o convívio e trabalho em equipe é fortemente valorizada na nossa cultura, nas escolas e posteriormente na vida profissional, sem falar na vida social acerca de amizades, relacionamentos amorosos e outras inúmeras situações de grupo a que estamos frequentemente expostos.

Embora transtornos do espectro autista sempre acarretem algum tipo de prejuízo adaptativo, a cultura pode reforçar ou suavizar a extensão disso, especialmente do ponto de vista social. Por exemplo, os traços da síndrome de Asperger gerarão menos desconforto para um indivíduo na Inglaterra do que no Brasil, uma vez que a cultura desses povos difere bastante quanto à forma de pensamento e socialização. Os ingleses são mais objetivos, metódicos e reservados, enquanto os brasileiros são o oposto. Não é preciso muita imaginação para prever o impacto que traços de Asperger irão gerar em ambas as culturas.

Richard Lewis foi um pesquisador que criou um “mapa” das culturas no  mundo. Ele desenvolveu um sistema de classificação de culturas por países que retrata a tendência com que determinado povo pensa e sente. Por exemplo, a cor vermelha indicaria tipos culturais mais “passionais”, ou seja, falantes, sociáveis, guiados pelas emoções. O Brasil se enquadra nesse perfil. Conforme a cor vai “esfriando”, ou seja, passando do vermelho para o rosa, violeta e sua extremidade azul, mais opostos às características passionais determinado povo seria, o que é o caso, por exemplo, da Inglaterra (U.K.), representada em tom azulado, como citei anteriormente, onde os traços culturais são mais contidos, reservados e racionalmente orientados. Por fim, a cor azul passa pela verde até culminar na amarela, que seriam os povos mais neutros, nem numa extremidade (vermelha), nem na outra (azul), além de serem mais guiados por valores coletivos em vez dos individuais, como é o caso do Japão.

Abaixo, está o Modelo Lewis de Tipos Culturais no Mundo:

Resultado de imagem para culturas do mundo segundo lewis

Fonte da Imagem

No Brasil, as pessoas se incomodam muito mais com a falta de reciprocidade emocional, demonstração de afeto e compartilhamento de interesses do que em países como a Inglaterra, EUA, Suíça ou Noruega, onde as pessoas tendem a ser naturalmente mais reservadas e seletivas. Um exemplo desse impacto cultural é o fato das pessoas se tratarem pelo sobrenome nos Estados Unidos. Se você trata a pessoa pelo primeiro nome, como fazemos no Brasil, logo num primeiro contato, você certamente será taxado de grosseiro, mal-educado, inadequado socialmente e invasivo. No Brasil, isso é normal. E se, em contrapartida, você chama alguém pelo sobrenome aqui no Brasil, quase sempre será taxado de “estranho”, principalmente se a pessoa chamada for jovem ou for mulher.

Até certo ponto, poderíamos pensar em ao menos algumas das características de Asperger como se parecendo um pouco com alguém de outro país, onde a cultura é diferente da nossa, onde os costumes são outros.

Indivíduos que se encontram na extremidade leve do espectro autista, onde os distúrbios não são óbvios, como é o caso da síndrome de Asperger, vivem uma contradição: embora, por um lado, seja obviamente uma vantagem ter a forma leve do distúrbio em vez de sua forma severa, essa vantagem também tem seu preço à medida que a sociedade exigirá dessas pessoas  o mesmo funcionamento de um indivíduo “neurotípico” (termo usado para pessoas com um funcionamento neurológico típico, ou seja, sem o transtorno), afinal, a pessoa com Asperger não “parecerá” portadora de qualquer distúrbio, como ocorre em quadros em que visivelmente há um problema. Quando as pessoas percebem uma limitação no outro, geralmente manifestam um espírito de compreensão e auxílio. Assim, a vantagem num contexto se torna uma desvantagem em outro, pois esses indivíduos não só não terão o mesmo padrão de funcionamento de uma pessoa neurotípica, como ainda terão que carregar o peso de rótulos morais injustos e depreciativos somados às dificuldades que eles já possuem.

O diagnóstico precoce permite a intervenção num estágio de desenvolvimento crucial, conhecido como “primeira infância”, que vai até por volta dos 5 ou 6 anos de idade. Nessa fase, o cérebro possui ampla plasticidade e, portanto, maior capacidade de modelagem, adaptação e expansão. Estudos de psicologia preveem que a consolidação-base da personalidade se dê por volta dessa idade.

 Primeira infância é o nome dado aos primeiros anos de vida, em particular, os cinco primeiros, de um ser humano, que são marcados por intensos processos de desenvolvimento. É uma fase determinante para a capacidade cognitiva e sociabilidade do indivíduo, pois o cérebro absorve todas as informações, as respostas são rápidas e duradouras. Segundo especialistas, as crianças nesta fase precisam de oportunidades e estímulos, para que possam desenvolver cada uma de suas aptidões. Estudos demonstram que é durante a primeira infância que o cérebro humano desenvolve a maioria das ligações entre os neurônios. Até os 3 anos de idade, as cerca de 100 bilhões de células cerebrais com as quais uma criança nasce desenvolvem 1 quatrilhão de ligações. O número é o dobro de conexões que um adulto possui. Aos 4 anos, estima-se que a criança tenha atingido metade do seu potencial intelectual.” (Autores diversos)

Quase sempre, o diagnóstico é tardio, devido à não obviedade dos sintomas. Muitos médicos acabam não validando as preocupações dos pais de que algo possa estar errado com a criança. A própria família, se for menos informada ou perceptiva, poderá encontrar outras justificativas para o comportamento da criança, “empurrando com a barriga” por muito tempo, até que a escola ou algum profissional da saúde faça um alerta para a necessidade de procurar um profissional que avalie a criança. Não é incomum que os familiares, em especial os mais velhos, como os avós, que nunca ouviram falar de transtornos como Asperger, invalidem as preocupações dos pais, dizendo que não há com o que se preocupar e que criança é assim mesmo, muitas vezes até achando que os pais é que estão fazendo algo errado quanto à criação dos filhos, como mimar muito ou deixar de dar o limite necessário.

As explicações do senso comum para os comportamentos da criança com transtornos “invisíveis”, como é o caso de desordens neuropsiquiátricas, partem sempre do princípio de falhas na educação ou traumas emocionais. Até mesmo alguns psicólogos, sem embasamento médico-teórico, podem chegar a essas mesmas conclusões equivocadas, sem considerar a hipótese de haver um problema de ordem neurológica. Isso é muito mais comum do que se imagina, haja vista que as faculdades de Psicologia não incluem em seus currículos um estudo satisfatório sobre o funcionamento fisiológico, neuronal e psiquiátrico do ser humano.

Além desses fatores, em casos leves, onde não há alteração cognitiva, a criança segue se desenvolvendo, tem bom domínio da fala e consegue acompanhar a escola, apesar de algumas “excentricidades”, é comum que o diagnóstico só ocorra em torno dos 5 a 7 anos de idade, época em que as relações sociais com as outras crianças passam a mostrar sinais evidentes de problemas (que para um bom observador são, na verdade, já bastante perceptíveis aos 2 ou 3 anos de idade), e é só então que a maioria dos pais decide buscar ajuda ou a escola ou pediatra percebem que há algo errado, mas aí já pode ser tarde para que certos resultados basais sejam obtidos, embora intervenções em qualquer idade tragam sempre benefícios significativos.

Em resumo, os fatores que contribuem para um atraso no diagnóstico podem ser:

a) O fato de que, quando a criança é muito nova, quaisquer “excentricidades” ou dificuldades sociais são geralmente relevadas e atribuídas à idade.

b) É comum que muitos profissionais adotem a postura do “vamos esperar para ver o que acontece” ou do “ainda é cedo para dizer qualquer coisa”, quer seja pela dúvida acerca do diagnóstico ou pelo receio de rotular a criança.

c) Descrença da problemática relatada pelos pais, como se fosse exagero dos mesmos, principalmente por que os comportamentos diferenciados da síndrome de Asperger muitas vezes não são evidentes ou imediatamente perceptíveis num breve contato no consultório do médico; se esse médico não for um especialista, não saberá o que observar e provavelmente terá uma crença estereotipada de autismo, de modo que se a criança não apresentar os sinais clássicos mais severos do quadro, vai achar que não se trata de autismo. Por fim, vale lembrar que a maior parte dos comportamentos de uma criança com Asperger não são observáveis em sua totalidade fora do contexto do lar.

d) Interpretações parciais – tais problemas acabam sendo atribuídos a questões unicamente emocionais, psicológicas ou de falha dos pais no âmbito disciplinar, desconsiderando o fator neurológico, quando esse tipo de conhecimento não faz parte do escopo técnico do profissional, o que ocorre com frequência entre psicólogos não especializados em TEA (Transtorno do Espectro Autista).

Precocidade é uma palavra chave em quadros de distúrbios de desenvolvimento. É preciso agir o mais rapidamente possível para evitar que determinados funcionamentos internos acabem se “enraizando” como base psicoemocional, pois quanto mais tempo o cérebro passar funcionando num certo padrão, mais difícil será modificar essa base depois.

Em casos mais leves, onde não haja comprometimento motor ou da fala, a recomendação de tratamento é geralmente de acompanhamento terapêutico na linha Cognitivo-Comportamental, com foco em Treinamento de Habilidades Sociais e controle do comportamento ritualístico. Em alguns casos, há necessidade de medicamento, que não trata o transtorno em si, mesmo porque não há “cura”, sendo uma condição estrutural do cérebro, mas pode ajudar a aliviar a ansiedade, depressão ou comportamentos ritualísticos excessivos que estejam interferindo significativamente nos aspectos funcionais da vida do indivíduo, problemas muito comuns em quem tem a síndrome. Nesses casos, o acompanhamento com um neurologista, psiquiatra ou neuropsiquiatra se faz necessário.

Infelizmente, esse ainda é um transtorno pouco conhecido e, em casos mais leves, quando não acabam passando despercebidos, frequentemente recebem um diagnóstico incorreto, como TDAH ou TOC, por exemplo, que são, na verdade, comorbidades (transtornos que ocorrem conjuntamente) comuns à síndrome, mas não a causa dos problemas.

Nos Estados Unidos, a média de idade com que crianças com Síndrome de Asperger são diagnosticadas é de 4 a 5 anos, e no Brasil a média de idade é de 8 anos e, geralmente, após muitas consultas médicas sem êxito ou tratamentos que não deram certo.

Os pais de crianças com transtornos que estejam na extremidade mais leve do espectro do autismo quase sempre enfrentam um calvário em busca de profissionais que lhes deem respostas adequadas às dificuldades percebidas nos filhos, mas, na maioria das vezes, recebem diagnósticos equivocados ou nem recebem qualquer diagnóstico, além de raramente conseguirem apoio das escolas, que pouquíssimas vezes reconhecem ou compreendem as dificuldades da criança.

No caso da Síndrome de Asperger, onde é comum que haja associação com QI acima da média, o distúrbio fica ainda mais mascarado, uma vez que a escola tende a avaliar as dificuldades dos alunos com base em seu rendimento acadêmico, em primeiro lugar, e é justamente esse o ponto em que crianças com um QI mais alto nem sempre têm problemas. O segundo ponto de avaliação escolar é a questão do comportamento. Como crianças com Asperger geralmente têm receio de chamarem a atenção para si e tendem a seguir as regras (gostam de regras), elas quase nunca se destacam por problemas de comportamento que perturbem o andamento das atividades escolares.  O maior problema será, portanto, mais perceptível no âmbito social, mas se a escola não tiver um olhar atento para isso, estas crianças acabarão não recebendo a ajuda e adaptações de que precisam, além de ser muito fácil que se tornem vítimas de bullying e sofram em silêncio.

Imagem relacionada

Fonte da Imagem

Há diversos relatos na literatura sobre Asperger e autismo de famílias que optam por homeschooling, que é o ensino domiciliar. No Brasil, embora o Ministério da Educação ainda não tenha aprovado oficialmente essa modalidade de ensino, já foram pedidos os cancelamentos de processos judiciais que haviam sido direcionados a diversos pais cujos filhos não estavam matriculados na rede regular de ensino e que, justamente, ensinavam seus filhos em casa. O processo de aprovação já está em trâmite no senado e, ao que tudo indica, em breve esta será uma prática legalmente reconhecida no Brasil. No exterior , o homeschooling já é bastante comum, especialmente dentre famílias que tenham filhos com autismo, e a decisão quase sempre ocorre para sanar problemas de acomodação social e bullying. Há um vídeo excelente sobre isso aqui.

“Difundido principalmente nos Estados Unidos e Portugal, mas também em outros países, o homeschooling – ou educação domiciliar – está ganhando força no Brasil. Uma pesquisa realizada em 2016 pela Associação Nacional de Educação Domiciliar (ANED), nos 26 estados brasileiros mais o Distrito Federal, revelou que o país possui 3.201 famílias que adotaram esse modelo de educação, um número que vem crescendo nos últimos anos.” (Caroline Prado, Jornal Gazeta do Povo – Artigo de 08/05/2016)

Se achou esse texto útil, compartilhe, pois muitas famílias podem se beneficiar dessas informações.

 


Nota da autora do blog:

INDICAÇÕES DE PROFISSIONAIS PARA DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO

A seguir, deixo duas indicações de psiquiatras especializados em autismo, síndrome de Asperger e Superdotação, plenamente capacitados para avaliação e diagnóstico:

Dra. Raquel Del Monde

Resultado de imagem para raquel del monde

Dra. Raquel Del Monde – Psiquiatra Infantil e Pediatra

Excelente profissional, altamente qualificada; atende no interior de SP (em Jaguariúna, a 15 km de Campinas). Mesmo que seja um pouco distante de onde você estiver, vale totalmente a pena; quando o paciente informa que é de longe, ela procura otimizar ao máximo as consultas, para emitir um diagnóstico no menor tempo possível dentro das particularidades do caso.

E-mail: raquel@nucleoconexao.com.br

Site da clínica: clique aqui 

Telefones:    (019) 3867-5759

                       (019) 3837-1092

Endereço: Rua General Gomes Carneiro, 260 – Bairro Berlim – Jaguariúna – Interior de São Paulo – SP

 


Dr. Daniel Minahim

Daniel Minahim

Profissional bastante conhecido na área de superdotação, é especializado em autismo, Asperger e superdotação. Não o conheço pessoalmente, mas já vi algumas de suas entrevistas na TV e obtive a indicação do nome dele através um profissional de minha confiança. Atende em São Paulo, no Itaim.

E-mail: minahim@gmail.com

Página do Facebook: clique aqui

Telefone: (011) 3071-3080

Endereço: Rua Joaquim Floriano, 101 – Cj. 308 – Itaim Bibi – SP

 

 

 

 

 

8 comentários sobre “Síndrome de Asperger: diagnóstico, tratamento e mais além

  1. Que texto maravilhoso! Qtas informações importantes !
    Eu tenho encontrado varia se dessas dificuldades em obter diagnóstico
    Tudo é “exagero da mãe”, “uma fase que vai passar”, ” falta de pulso forte” etc..
    Espero passar no começo do ano com Dra Raquel e ter um posicionamento mais certeiro qto a td que acontece com minha filha!
    Parabéns! Este texto é muito completo! Obrigada!

    Curtido por 1 pessoa

    • Quando se encontra o profissional adequado, que realmente entende do quadro, a situação é bem diferente: você quase não precisa explicar nada, pois parece que o médico já sabe tudo o que acontece, o médico não duvida do que você diz, não julga e compreende com facilidade. Sei que a Dra. Raquel tem uma agenda apertadíssima, então sugiro ligar com muita antecedência. Ela é excelente. Boa sorte em seus caminhos! Seja sempre bem-vinda aqui no blog!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s